quinta-feira, 20 de março de 2014

E assim, começa o outono...

"Há nas matas cerradas um prazer
Há nas encostas solitárias um arrebatamento,
Há sociedade, onde ninguém pode intrometer,
Pelo mar profundo, e música em seu lamento:
Eu não amo menos ao Homem, mas à Natureza mais,
Dessas nossas entrevistas, nas quais capturo
De tudo que eu possa ser, ou tenha sido tempos atrás,
Para me misturar ao Universo, e sentir puro
O que nunca posso expressar, ainda que não possa esconder."


Lord Byron

Ibituruna - MG 20/03/2014



segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

A alma que me cabe



Texto de Paulo Brabo
– Os conservadores e reformados — disse o dono do haras ao jangadeiro — afirmam que a missão é fazer com que as pessoas abracem o nome do seu mestre de modo a evitarem o inferno e ganharem o céu; para eles, trata-se de salvar as almas não para este mundo, que é irremediável, mas para a vida eterna.
Os liberais e libertários afirmam que a missão é transformar este mundo a partir do exemplo revigorante do seu mestre, de modo a construir nesta vida uma estirpe honorária de céu; para eles, trata-se menos de prometer o reino de Deus para a vida futura do que implementá-lo contra todos os impedimentos nesta existência.
Qual é a sua opinião? Qual dos dois pensamentos está certo?
O jangadeiro terminou de fazer o nó que o incomodava e aspirou a maresia.
– O que sei sobre a vida eterna é que ela é para ser um presente, e presente a gente não deve cobrar e não deve esperar. O mesmo, você deve entender, posso dizer desta vida. A vida futura que deve me ocupar é o momento seguinte, porque o momento seguinte depende do que faço neste. Salvar as pessoas ou transformar o mundo? Se você pensar, qualquer um desses seria fácil demais, porque tanto o mundo quanto as pessoas estão fora de mim; a metamorfose deles nada exige de mim e para mim nada implica além daquilo em que me beneficia. O desafio do legado de Jesus é eu transformar a mim mesmo. É natural que transformando a mim mesmo estarei transformando o mundo, mas essa não é a questão. A alma que me cabe salvar continuamente é a minha.

Fonte: http://www.baciadasalmas.com/2008/a-alma-que-me-cabe/

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

"Pra começar bem o ano!"


Um dos aspectos bom da vida, é poder mudá-la sempre que necessário e quantas vezes quisermos. Mudanças fazem parte do viver, e, embora algumas vezes esta ideia nos pareça assustadora, as mudanças podem mostrar um novo mundo, fazer-nos enxergar novas belezas, possibilitar encontrar grandes paixões, revelar novos motivos pra viver, e quando é uma mudança do interior, na alma, a forma como entendemos a vida pode ganhar outras dimensões e significados.

O Filme "Larry Crowne" materializa as boas surpresas que as mudanças podem proporcionar. Larry, interpretado por Tom Hanks, era um líder nato na equipe da empresa em que trabalhava, mas a crise bateu à sua porta. Afundado em dívidas e precisando pagar a sua hipoteca, ele precisa mudar completamente sua vida. Larry Crowne se matricula na faculdade, e a partir deste passo, desta mudança, as transformações começam a acontecer, um novo mundo de possibilidades se abre a ele, novas aventuras, novos amigos, muitos desafios, conhecimento e o principal, ele desenvolve uma paixão por sua professora de oratória, Marcedes Teinot, (interpretado por Julia Roberts), uma mulher que perdeu tanto a sua paixão por ensinar como a que sentia pelo marido. O cara simples, que teria todos os motivos para pensar que sua vida chegou ao fim, acaba aprendendo uma lição inesperada: quando você pensa que tudo o que vale a pena já passou na sua vida, descobre que você ainda pode encontrar muitas razões para viver.

Mudanças representam desafios, são para corajosos, para aqueles que detestam a ideia do conformismo, do monótono, para aqueles que não teme o viver, que não tem medo de procurar por novos motivos que dão razão a existênncia, por aqueles que sempre procuram se apaixonar por suas próprias vidas.

Fiodor Dostoievsky certa vez escreveu que "o mistério da existência humana não consiste apenas em ficar vivo, mas em achar um motivo pra viver", e porque não achar vários desses motivos, a vida está recheada deles pra vivermos.

Mude sempre que necessário, esteja aberto a um mundo cheio de possibilidades e desafios, e como disse Jack Kerouac "apaixona-te pela tua existência."

Não é pecado viver!


Felippe Ramos

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Que em 2014, possamos Viver!


Nada dignifica mais a vida do que o viver: viver bem, viver pra si, viver pra os outros, viver paixões, viver amizades, viver o divino, viver o amor, viver o momento, viver as oportunidades. Quando foi soprado em nós o espírito vivificante, foi para que pudéssemos então viver, e viver, está além da vida em si, perpassa o fôlego da vida, vai além do existir. Só entendemos isso, quando começamos a viver, verdadeiramente e intensamente.

Aprendamos a lição com o poeta:

A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
Quando se vê, já são seis horas!
Quando de vê, já é sexta-feira!
Quando se vê, já é natal...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê passaram 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado...
Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas...
Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo...
E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.
Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.
A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará.
(Mario Quintana)

Que neste novo ano, possamos honrar o presente da vida, vivendo-a intensamente.

Feliz 2014 amigos.   

Felippe Ramos